Skip to main content

O que o seu cãozinho faz quando está sozinho em casa?

Voltar

Se você não tem uma resposta rápida para essa pergunta, é porque provavelmente seu cão dorme bastante durante o dia ou também se mantem entretido com os brinquedos ao decorrer do dia.

Agora se você tem uma resposta rápida, é porque certamente já chegou em casa e teve surpresas ao andar pelos cômodos, tais como, papel higiênico picado, destruição de móveis ou itens da casa, fezes e urina em locais indevidos e até mesmo reclamações de vizinhos sobre uivos e latidos.

Se o seu cãozinho anda fazendo isso com frequência, talvez ele esteja com a Síndrome da Ansiedade da Separação por conta do seu longo período de ausência.

Algumas medidas podem ser tomadas para minimizar isso:

  • Evitar um “ritual” ao sair de casa, apenas saia sem deixá-lo ansioso ou fazer alardes;
  • Passeie com o seu cãozinho com frequência;
  • Brinque com ele para distraí-lo;
  • Proporcione brinquedos para que ele se mantenha “ocupado” enquanto você estiver ausente de casa.

 

Acima de tudo, tenha muita paciência com o seu cãozinho, ele irá se adaptar à sua rotina.

Não se esqueça de bloquear o acesso dele às áreas que ofereçam riscos, por exemplo, piscina, área de serviço (produtos de limpeza) ou até mesmo a rua.

Dicas

  • Uma das prováveis causas da maior sensibilidade à dor, também nos animais, nos dias frios é que as baixas temperaturas provocam constrição vascular e prejudicam a circulação do sangue no corpo.

    A necessidade de aquecimento da musculatura provoca uma contração que torna algumas partes do corpo mais doloridas, principalmente nas articulações dos animais mais velhos ou que tenham doenças como, por exemplo, a osteoartrite.

  • Você sabia que o focinho é como se fosse a digital de um cachorro? Cada animal da espécie possui um padrão único, o que faz o nariz de um, não ser o focinho do outro.

    A partir dessa informação, uma startup - a Megvii, lança um app capaz de identificar o seu pet. A inteligência artificial garante 95% de precisão nas buscas. Uma alternativa incrível ao uso de microchips destinados para os mesmos fins.

    Como funciona o aplicativo?

  • Um estudo realizado com pets e homens na Europa e publicado na revista European Radiology, revelou que em média, existem mais bactérias potencialmente infecciosas na barba de um homem do que na pelagem de um pet.

    Todos os homens que participaram do estudo tinham altas cargas de bactérias nos pelos faciais, mesmo apresentando condições perfeitas de saúde, enquanto 76% dos pets apresentaram bactérias em seu pelo. Foram consideradas provas de ressonâncias magnéticas nos pelos e no aparelho que realizou a coleta nos animais e nas pessoas.

  • A pesquisa realizada recentemente pela Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena), da Universidade de São Paulo (USP), em Piracicaba, mostra que as embalagens de rações não são suficientemente esclarecedoras para os proprietários de cães e gatos.

Sozinho em casa

Produtos